• No products in the cart.
Proceed to Checkout

Espumantes: Método clássico e charmat. Qual a diferença?

Espumantes: Método clássico e charmat. Qual a diferença?

qt_espumantes_packbrt_grfConhecer o processo de produção do espumante pode fazer grande diferença na hora da escolha, uma vez que esse factor interfere diretamente nas características do vinho espumante.

Os espumantes podem ser elaborados através de dois métodos: o clássico ou champanhês  e o Charmat.

Método Clássico

é conhecido também como o método champanhês por ser o utilizado para elaboração de Champagne, na França. sendo considerado mais nobre que o Charmat.

A invenção deste processo é atribuída ao monge beneditino Dom Pérignon.

Como qualquer vinho passa por uma primeira fermentação alcoólica. É quando o açúcar das uvas se  transforma em álcool.

O vinho passa depois por uma segunda fermentação a ser realizada na própria garrafa, onde estagia por um período mínimo de 9 meses até ao degorgement até ser engarrafado em definitivo.

O método clássico requer um cuidado maior, é mais demorado e praticamente artesanal, por esse motivo resulta em espumantes de maior riqueza aromática, mais estrutura e uma bolha mais delicada.

Método Charmat

Neste caso, a segunda fermentação, a qual todo vinho espumante é submetido, ocorre em tanques de aço inoxidável e é engarrafado sob pressão. Ao fim de pouco tempo pode ir para o mercado, sendo pois   mais económico para o produtor.

Este procedimento foi inventado em 1895 pelo enólogo italiano Federico Martinotti, mas foi patenteado em 1907 pelo francês Eugène Charmat.

Os espumantes Tamariz são todos elaborados pelo método clássico, resultando em espumantes elegantes, com bolha fina e persistente. Fescos e volumosos na boca, apresentam um final longo e persistente.

Follow us!Facebooklinkedinrss
ShareFacebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail

Deixe uma resposta

16 − twelve =

Scroll to top